quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Revisão do Plano Diretor:
Um momento crucial para São Leopoldo

Na parte de cima desta foto de São Leopoldo,  percebe-se a área verde do Colégio São José.
Aquele lugar não existe mais. O atual Plano Diretor permitiu a supressão daquele mato. 

A manutenção e a criação de áreas verdes são fundamentais para termos um espaço urbano qualificado quanto ao bem estar das pessoas. São essa áreas que oferecem condições para a tão almejada qualidade da vida urbana, pois elas atuam nas questões físicas e mentais do homem, constiuindo-se em verdadeiros oásis em meio ao cimento e o asfalto, diminuindo o calor, melhorando a qualidade do ar, oferecendo-se como espaços de refúgio às pessoas, que contam com estes ambiente para momentos de lazer, descanso e recreação. Esta áreas significam muitas vezes a oportunidade que resta de contato com a natureza, para muitas pessoas.

Não há nada de novo nessas constatações. Todos sabemos que de fato, cada vez mais, os espaços verdes urbanos são vitais. A região central de São Leopoldo necessita preservar e investir na recuperação e qualificação do que resta destas áreas. São os bairros adjacentes ao centro, aqueles que ainda dispõe de terrenos arborizados com árvores de grande porte, inclusive com alguma fauna.

Estamos num momento crucial. O avanço dos empreendimentos da construção civil ocorre com a total permissão da administração atual, que está amparada no Plano Diretor que está em vigor. Poucos sabem, mas neste momento está sendo elaborada a revisão deste Plano. Uma revisão que ocorre no interior dos gabinetes. Se há representação da população neste processo, ela é insignificante em número.

No entanto, por parte do setor da construção civil, do setor imobiliário, todos sabem que a pressão exercida é total. É preciso haver um reordenamento dessas forças. São as pessoas que vivem em São Leopoldo a razão desta cidade. A lógica está invertidda. Esta cidade está se desenvolvendo em acordo com os interesses de alguns poucos, alguns empresários da construção civil. Eles defendem seus interesses econômicos acima de qualquer coisa, em detrimento total e absoluto do ser humano. Em quais condições as novas gerações viverão nesta cidade, não estão sendo levadas em conta. No atual curso, o mínimo que resta de verde, em pouquíssimo tempo, deixará de existir.

Hoje, o jornal VS traz o anúncio da Câmara de Vereadores, informando sobre Audiência Pública, que tratará sobre projeto de lei encaminhado pela prefeitura, instituindo 11 Áreas de Especial Interesse Ambiental. Esta é uma ocasião preciosa para que todos possam perceber como os vereadores da cidade legislam nessas questões. Já de antemão temos pelo menos duas dúvidas: a prefeitura excluiu alguma importante área desse projeto? E em defesa de quais interesses esta audiência foi solicitada?

A audiência pública ocorrerá nesta quinta-feira, 1º de setembro de 2011, às 17:00hs, no Plenário da Câmara Municipal de São Leopoldo.Todos que puderem estar presente para defender o que ainda resta de importante em termos ambientais, por favor, esteja presente. O Amigos do Morro do Espelho estará lá. Estejam conosco, pela cidade

5 comentários:

Anônimo disse...

Porque esta distância tão grande da população? Tudo gira em torno de negócios e dinheiro (fácil diga-se). Que a aministração, seja ela qual for, assimile a necessidade da qualidade de vida coletiva, dos sacrifícos reais do trabalho bem feito, para que tenhamos um fluxo natural da futura colheita. ENVOLVAM A COMUNIDADE, PERGUNTEM E TRATEM A POPULAÇÃO COM DIGNIDADE E SERIEDADE.

Anônimo disse...

Nesta quinta-feira (01/09), tem audiência pública sobre o Plano Diretor de São Leopoldo, às 17h, na Câmara SL.
Quem acompanha o assunto Plano Diretor de SL sabe que há cerca de 6 anos a atual administração municipal fez drásticas alterações eliminando as classificações (residencial, industrial) e transformou em "pode construir de tudo em qualquer lugar". A partir daí foram rapidamente instalados postos de combustíveis, empresas, etc, em lugares antes impensáveis.
Agora estamos na fase da discussão e regulamentação do Plano Diretor, quando poderá sofrer regramentos.
Para isso a população precisa participar para defender seus insteresses.
As imobiliárioas, construtoras e seus representantes na política estão "mobilizadíssimos" para que continue livre a sua atuação nos moldes atuais, pouco se importando com moradores, meio-ambiente, qualidade de vida, etc.

Antonio Barcellos
Jornalista diplomado

Antonio Barcellos, Jornalista Diplomado disse...

Nesta quinta-feira (01/09), tem audiência pública sobre o Plano Diretor de São Leopoldo, às 17h, na Câmara SL.

Quem acompanha o assunto Plano Diretor de SL sabe que há cerca de 6 anos a atual administração municipal fez drásticas alterações eliminando as classificações (residencial, industrial) e transformou em "pode construir de tudo em qualquer lugar". A partir daí foram rapidamente instalados postos de combustíveis, empresas, etc, em lugares antes impensáveis.

Agora estamos na fase da discussão e regulamentação do Plano Diretor, quando poderá sofrer regramentos.

Para isso a população precisa participar para defender seus insteresses.

As imobiliárioas, construtoras e seus representantes na política estão "mobilizadíssimos" para que continue livre a sua atuação nos moldes atuais, pouco se importando com moradores, meio-ambiente, qualidade de vida, etc.

Antonio Barcellos
Jornalista diplomado

Anônimo disse...

Despertar é Preciso

Na primeira noite, eles se aproximam
e colhem uma flor de nosso jardim.
E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores, matam nosso cão,

E não dizemos nada.

Até que um dia, o mais frágil deles,
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a lua, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.

E porque não dissemos nada,
já não podemos dizer nada.

Vladimir Maiakovsky (1893-1930)

Antonio Barcellos, Jornalista Diplomado disse...

POR QUÊ DEVEMOS IR HOJE À CÂMARA
A simples presença da população interessada será muito importante para que o poder constituído, as empreiteiras e demais interesses econômicos que desprezam o meio amtiente e a nossa qualidade de vida percebam que estamos atentos e IREMOS COBRAR. Se estivermos alheios, mais facilmente eles nos roubarão a luz e a voz. E aí será tarde (post acima).
Antonio Barcellos
Jornalista diplomado