quarta-feira, 13 de julho de 2011

Eventos nebulosos

Como cidadão de São Leopoldo, não é fácil acompanhar as ações da administração municipal, tampouco os critérios que norteiam o trabalho dos vereadores. Afinal, não podemos nos satisfazer com a propaganda oficial ou mesmo com o pouco espaço que as notícias destes assuntos ocupam na mídia.

O ideal é existir um processo transparente que permita a todo o cidadão que tenha interesse, acompanhe o dia a dia do executivo e legislativo, possibilitando assim, uma efetiva participação.

O recente caso da compra do imóvel onde existia o antigo centro esportivo Imalas é um claro exemplo do quanto esse acompanhamento nos é dificultado.
Repentinamente esse assunto surgiu, mas já encaminhado para votação pela câmara, em regime de urgência. E o que é mesmo esse negócio?

Alega-se que o local onde são realizados hoje a São Leopoldo Fest e o Carnaval, não são adequados. Esse é o primeiro ponto que deve ser discutido e debatido, pois de uma hora para outra, essa questão tornou-se uma prioridade e, quase R$ 7 milhões, ainda que na forma de endividamento, foram disponibilizados. Por que esse valor? Por que, sem qualquer discussão, sem participação da população, foi decidido que aquele é o lugar ideal? Mas como que um local concebido para ser um centro de esportes, que tem uma estrutura para esse fim, torna-se o local ideal para um centro de eventos? Isso implicará em um gasto extra significativo – a reforma para adaptação do local – que nem mesmo foi estimada (especula-se mais R$ 5 milhões) e que, mesmo assim, os vereadores, em sua maioria, aprovaram! Ou seja, aprovaram um negócio sem saber o valor total envolvido!

Há muitos pontos a serem discutidos nesse assunto. Começa pela questão de prioridade desse investimento, ainda que possam ser justas as alegações de inadequação do local atual. Não seria melhor adquirir uma área e construir pavilhões, implantando uma estrutura apropriada para eventos?

Justifica-se a rapidez em concluir esse negócio, como garantia de que esse imóvel não será negociado com terceiros. Ora, há outras formas de segurar o negócio. Mesmo assim, por que esse projeto não foi divulgado para apreciação da população, para debate entre os vereadores, com maior antecedência? E se nisso surgem desconfianças, elas ocorrem justamente pela forma pouco clara que esse assunto está sendo conduzido.
Não é possível mais se aceitar que o dinheiro público seja usado em meio a processos nebulosos, onde não seja permitido um amplo debate com a sociedade.

Que esse episódio, caso seu desfecho seja, lamentavelmente, pela efetiva concretização do negócio, sem a permissão de um amplo debate, sirva pelo menos para que a população tenha de forma bem clara, como que estes, que estão ocupando importantes funções executivas e legislativas, se comportam no trato da coisa pública, até porque, daqui mais alguns meses, eles próprios estarão novamente nas ruas, atrás dos nossos votos.

1 comentários:

Simone Palmeiro disse...

Tudo que pedimos é nosso direito como cidadãos leopoldenses.

Debates públicos para que a população também possa opinar pela construção da cidade onde mora.

Negociações claras, justificadas pelo interesse real do coletivo .

Planejamento em todas as áreas da administração com pessoas qualificadas e que realmente tenham o interesse no desenvolvimento sadio e de qualidade da cidade de São Leopoldo e assim de seus moradores.

Revisão do Plano Diretor

Motivados pela supressão de áreas verdes e matas nativas na nossa cidade para fins de especulação imobiliária, nós exigimos a imediata REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO LEOPOLDO!

ASSINE!

Fique sabendo sobre as últimas novidades do "Amigos do Morro do Espelho"

Insira seu email:

Delivered by FeedBurner