quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

REVIVENDO A GUERRA FRIA


Imagem do Bosque São Francisco - Morro do Espelho

Depois da Audiência Pública do dia 06/12/2010, ministrada pela Associação Amigos do Morro do Espelho na Câmara Municipal de São Leopoldo, para tratar da preservação de matas nativas no Morro do Espelho, abordando, inclusive, o corredor de ventos litorâneos que passam por aquela região, vejam o trecho de notícia divulgada pela SEMMAM, veiculado no site da Prefeitura:

...O secretário também adianta que a última audiência pública do ano ocorrerá no dia 29 de dezembro, às 18h30, na Câmara de Vereadores. O tema a ser debatido é a preservação da mata nativa localizada no corredor de eventos da região sudeste do Município. "Evitaremos a construção de prédios lá para que a cidade tenha um clima mais ameno no verão", destaca.

O detalhe é que esta audiência tratará do mesmo assunto em discussão no Bairro Morro do Espelho, para o Bairro Pinheiros ( o que não deixa de ser importante, evidentemente).
Mas qual parece ser o espírito umbraliano desta informação? A velha técnica da Contra-Informação, tão utilizada pelos camaradas soviéticos. Parece que pretendem desviar a atenção do trabalho que tenta evitar crime ambiental no Morro do Espelho e que prejudicará milhares de pessoas, puxando o braseiro para o assado, de forma a confundir a população desinformada.

Prezados, há indícios de que estamos no meio de uma guerra fria e que esta contra-informação sugere que o município está advogando em favor de grandes construtoras.
No mesmo movimento, percebam que a Câmara Municipal, com a maioria governista, aprovou a lei que desobriga a publicação de importantes decisões de interesse público em jornais de grande circulação, sob a alegação de economia financeira...

2 comentários:

Adroaldo disse...

Parabéns pela análise.
Adroaldo Diesel Filho

floresurbanas disse...

aprovou a lei que desobriga a publicação de importantes decisões de interesse público em jornais de grande circulação, sob a alegação de economia financeira... REPITO ISTO...
porque ocorreu que, em nosso encontro com o secretário de governo, surgiu algum comentário sobre a não legitimidade da audiência do dia 06/12, pelo fato de que não anunciamos no jornal local: nós não PAGAMOS para anunciar aquele encontro. Foi isto, ou estou muito equivocada? Tenho sempre a sensação de que as leis mudam, por períodos de curta duração - para que algum "parceiro do rei" se delicie e, depois, feita a farra, voltam a amarrar a população. Coisa estranha, entre futurismo macabro e estado medieval convicto!