quinta-feira, 29 de novembro de 2012

RIO DOS SINOS - OLHAR DE QUEM TRABALHA E ENTENDE

A matéria publicada no dia 29/11/2012 é uma excelente referência às nossas análises e formações de opiniões. A Vivica atua pelo COMITESINOS, único órgão realmente competente, capaz de gerar resultados para a sobrevivência da ÚNICA fonte de água de São Leopoldo.

  
sexta-feira, 23 de novembro de 2012
Prezados, compartilhamos convite do pessoal do bairro Jardim América em São Leopoldo, que promove um movimento de alerta contra o Plano Diretor vigente na cidade.


segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Alguèm vê 85% de taquareiras e 10% de eucaliptos?

O empreendedor da empresa Planta e Obra publicou no jornal Vale dos Sinos que a área desta filmagem, o Bosque São Francisco, possuia 85% de taquareiras e 10% de eucaliptos. Porque ele teve necessidade de "omintir", tanto no "laudo" ambiental apresentado na SEMMAM quanto para a população via jornal?

Nesta filmagem, temos no microfone da câmera, o efeito do corredor de ventos litoraneos do quadrante leste de São Leopoldo, bem público intangível previsto no laudo climatológico da Metsul, novamente reproduzido abaixo. 


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Do site do Jornal VS_Utilidade Pública



Na sequência desta publicação, vamos nos aprofundar um pouco mais nos dois últimos parágrafos, com um pouco de história, iniciada em 2010! 




São Leopoldo - 26/10/2012 16h09
Atualizado em 26/10/2012 16h14
Corte das árvores do Bosque São Francisco ainda gera polêmica
60% do terreno de 9 mil metros quadrados foi desmatado e comunidade local está revoltada

Isabella Belli/Da Redação


Durante cortes, árvore caiu sobre veículo

São Leopoldo  - A conclusão do corte das árvores do Bosque São Francisco, no Morro do Espelho, onde serão construídos dois prédios estava prevista para ontem. A indignação dos moradores locais, porém, continua. 60% do terreno de 9 mil metros quadrados foi desmatado. "Vão transferir os ninhos dos pássaros para onde?'', ressaltou o técnico em segurança do trabalho, Leandro Lanes, 35 anos, que tem o costume de caminhar pelo bairro. " "Me criei neste bairro e há algum tempo vinha aqui para fazer caminhadas, justamente por causa da área verde que trazia sombra e um clima fresco'', contou.
O proprietário de uma oficina mecânica em frente ao bosque, Claudio Orestes, 62 anos, não conseguia esconder na manhã de ontem a tristeza em ver as serras cortando as últimas árvores. "Não existe lei na cidade, o que manda é o dinheiro. Quando eu construí o prédio da mecânica, mantive uma palmeira que até hoje está dentro do galpão. Acho isso uma falta de respeito com a natureza.'' Ontem pela manhã, durante o corte de árvores, um tronco caiu sobre um carro que estava estacionado próximo a área. Apesar dos danos materiais, ninguém se feriu. O veículo pertencia a um dos funcionários da obra.
O proprietário da empresa responsável pela área e pela construção dos prédios, Planta&Obra, não quis se identificar, mas afirmou que está seguindo o que foi combinado com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semmam) e com o Ministério Público. "Se estivéssemos pensando só no dinheiro, construiríamos quatro prédios, mas vamos erguer apenas dois. Estamos preservando 40% da mata existente no terreno'', afirma. Segundo ele, 85% do bosque era composto por taquara e 10% por eucalipto. "As pessoas não têm noção do que estão falando, falam sem conhecimento básico. As manifestações são válidas, mas com sabedoria.''
Segundo o secretário do Meio Ambiente, Darci Zanini, a empresa que comprou a área e irá utilizá-la para construção está cumprindo todos os requisitos legais tendo licença tanto ambiental quanto urbanística.



Fonte
http://www.jornalvs.com.br/sao-leopoldo/421063/corte-das-arvores-do-bosque-sao-francisco-ainda-gera-polemica.html
quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Plano Diretor - O momento que nos restou é esse

O objetivo maior que um Plano Diretor pode garantir é aquele em que a ocupação do território permita a toda a população ter uma qualidade de vida superior.
Por maiores que sejam as ações públicas de descentralização, o bairro centro de São Leopoldo é o grande ponto convergente da maior parte das atividades de todos que moram ou visitam a cidade.

Para que milhares de pessoas que circulam pela área central encontrem nessa região um ambiente agradável e que não agrida a saúde, é fundamental a preservação e a ampliação da cobertura verde nos bairros adjacentes.

Na próxima sexta-feira, dia 18/11, 19 horas, na Escola Gusmão Brito, ocorrerá a 1ª audiência pública, promovida pela prefeitura municipal, para discussão do Plano Diretor com a população.

O momento de nos fazer ouvir é esse. Podemos ter nossas suspeitas, nossas desconfianças, mas o jogo estabelecido é esse e não podemos nos omitir nesse momento, pois do contrário, não teremos legitimidade alguma em discutir esse assunto no futuro e nem mesmo reclamar por qualquer aspecto negativo que a cidade possa apresentar em relação ao Plano Diretor.

Portanto, conclamamos a todos que desejam que esta cidade ofereça um ambiente digno às futuras gerações, que compareçam em peso à Audiência Pública.

 
quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Nova tragédia sendo anunciada

Bastaram algumas semanas de escassas chuvas para que o nível do Rio dos Sinos voltasse a expor seu estado agonizante. Segundo a matéria publicada no Jornal VS de hoje, dia 27, com o curto período de escassas chuvas que tivemos nas últimas semanas, o Sinos estava com o índice de oxigênio, aquém do mínimo de 2mg/l, quantidade essa que considera a condição crítica. A matéria relata que há mais de 150 empresas potencialmente danosas ao rio. Certamente essas empresas, são incluídas nas estatísticas econômicas que tentam demonstrar a pujança da região em termos de empregos, faturamento, etc.
Existe alguma inteligência nisso? De que adianta termos estas empresas poluindo diariamente o rio que nos abastece de água, onde a vida insiste em se manter, mesmo em condições tão precárias?
Como sempre falta aquela atitude que faz a diferença. Governos, a grandiosa maioria deles, seja de qual partido for, costumam ficar só no entorno, apenas na casca, fazendo de conta que algo está sendo feito. Mensalmente tomamos conhecimento de reuniões, aqui e lá, entre prefeitos da Bacia do Sinos, nos iludindo que alguma atitude está sendo tomada.
A prova está aí, mais uma vez. A ameaça paira. E o verão, estação onde ocorrem períodos mais frequentes de seca, ainda nem deu as caras. Mais uma vez, a vergonha da mortandade está sendo anunciada.


Consumo responsável

Neste importante artigo publicado no Jornal VS, a autora, a professora Débora Machry deixa claro que uma prática de consumo consciente é o início para que possamos, cada um de nós, tratar a questão do lixo de forma sustentável. Somente esse comportamento fará com que também todas as empresas passem efetivamente a dar a devida importância ao descarte de resíduos sólidos em toda a cadeia produtiva.


terça-feira, 25 de outubro de 2011

Acompanhamento de Publicaçãol Legal - Fonte - JC


Importante para a população visualizar
sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Desmatamentos em São Leopoldo: crimes premeditados?

Em pouco tempo, estaremos pesquisando se será possível a existência de vida na terra. Em São Leopoldo, a situação anda dramática. O negócio por aqui é lotear!!!Porque será? Muito dinheiro circula num processo de loteamento. Dinheiro público bruto, grosso mesmo! As máquinas públicas derrubam a vegetação, abrem buracos e aterram, com escavadeiras, tratores, esteiras, tombadeiras. Os cofres públicos se abrem às tubulações de concretos de grande bitola, ao calçamento de concreto, às tubulações de água e luz. E quem receberá toda essa grana, acumulada pelo suor daqueles que sofrerão a falta de tudo? De quem são os lotes? Dos "amigos" do momento! No fim, a comunidade é obrigada a patrocinar o seu próprio sofrimento. Ainda bem que por aqui, resiste um sentimento de comunidade capaz de discernir, gente capaz e instruída, ao ponto de reproduzir textos como o publicado hoje no jornal VS e replicado aqui (clique na imagem para ampliar). Obrigado Renato Petry Leal, pela excelente orientação sobre o tema Horto Florestal.



quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Estatuto das Cidades - Parte III

"Quando você perceber que, para produzir, precisa obter a autorização de quem não produz nada; quando comprovar que o dinheiro flui para quem negocia não com bens, mas com favores; quando perceber que muitos ficam ricos pelo suborno e por influência, mais que pelo trabalho, e que as leis não nos protegem deles, mas, pelo contrário, são eles que estão protegidos de você; quando perceber que a corrupção é recompensada, e a honestidade se converte em auto-sacrifício; então poderá afirmar, sem temor de errar, que sua sociedade está condenada".





E foi nesse capítulo que São Leopoldo começou o seu pior momento no planejamento urbano. Claramente, o atual Plano Diretor foi transformado e construído para legitimar o movimento das "grandes" construtoras e imobiliárias, na tentativa de legalizar as possibilidades de conluios com a gestão pública, na tentativa de assumir o papel de patrocinadores de campanhas. É a grande chance do "poder" se abraçar com o capeta e trair o seu eleitorado com algumas cestas básicas... Espigões são espichados em áreas antes prioritárias para construções de casas e áreas verdes valiosíssimas. Estão dando chance ao terrorismo, e as pessoas da cidade estão assustadas, acuadas, querendo sair, porque sua história está sendo soterrada por toneladas de concreto.


sobre a frase inicial,

é da filósofa russo-americana Ayn Rand (judia, fugitiva da revolução russa, que chegou aos Estados Unidos na metade da década de 1920), referindo-se sem dúvida à sociedade soviética de então, mas lançando um alerta cada vez mais atual.


previous

Revisão do Plano Diretor

Motivados pela supressão de áreas verdes e matas nativas na nossa cidade para fins de especulação imobiliária, nós exigimos a imediata REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE SÃO LEOPOLDO!

ASSINE!

Fique sabendo sobre as últimas novidades do "Amigos do Morro do Espelho"

Insira seu email:

Delivered by FeedBurner